domingo, 26 de dezembro de 2010

É tempo de AMOR e PAZ!!

À todos vocês, um Feliz Natal e que 2011 traga bons motivos pra sorrir e celebrar!!!

video

domingo, 3 de outubro de 2010

Dia da Música

Muitas pessoas nem mesmo sabem que o Dia da Música existe, e se até o momento você também não sabia, agora terá a oportunidade de conhecer mais sobre o dia 01 de Outubro, que é denominado como o dia da música. A palavra música vem do grego “mousikê”, que nada mais significa do que a arte das musas. Sendo assim, também se inclui a poesia e a dança, que tem em comum o ritmo.

O Dia Internacional da Música foi celebrado e comemorado em 1975 por Yehudi Menuhin, um violinista e grande músico. Este dia foi instituído pelo International Music Council fundada em 1948, e com patrocínio da UNESCO.

Então, no dia 1º de Outubro aproveite para cantar bastante, soltar a sua voz e se divertir! E lembre-se de explicar e informar seus parentes e amigos sobre este dia pouco conhecido, porém muito importante para toda a população.


Saiba mais: http://www.blogdicas.com.br

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Primavera.

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

Clique na ícone abaixo e espere um pouco.

Ao aparecer uma segunda janela,

dê um clique na mesma,

arrastando o

cursor do mouse pela tela toda - como se fosse um pano seco.




terça-feira, 21 de setembro de 2010

Dia da árvore.


A árvore

A árvore não é só o enfeite da terra; ora em flor, ora em fruto, ela é a purificadora do ar que respiramos, a garantidora do manancial que jorra para nossa sede e para rega das lavouras. Movendo docemente os seus ramos, trabalha como fiandeira do sol: recebendo na copa os raios ardentíssimos, desfia-os em brando calor, agasalhando assim os que se chegam à sua sombra.

Assim é a árvore viva.

Morta, ela é tudo — o princípio e o fim: berço e esquife, e, entre esses dois polos, tudo é árvore — a casa e o templo, o leito e o altar, o carro que roda nas terras lavradas, o navio que sulca os mares, o cabo da enxada, a haste da lança, e tantos outros utensílios da vida. Matar a árvore é estancar uma fonte. Onde se devastam as florestas estende-se o deserto estéril — resseca-se o terreno, os rios minguam, somem-se os animais. Assim, a árvore, sendo beleza, é ao mesmo tempo, a fiadora da vida.

Coelho Neto

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

BR6

Uma interpretação do grupo BR6 da música Garota de Ipanema, composta em 1962 por Vinícius de Moraes / Antônio Carlos Jobim. O Grupo Vocal BR6 é um grupo a capella carioca formado por seis cantores - professores, músicos e arranjadores em atividade no Rio de Janeiro, - Crismarie Hackenberg (mezzo), Deco Fiori (tenor), Marcelo Caldi (tenor), Augusto Ordine (barítono), Simô (baixo) e Naife Simões (Percussão Vocal).As canções interpretadas pelo grupo, são executadas sem a ajuda de instrumentos.

Em 2004, o primeiro disco do grupo, "MPB a Capella", foi lançado nos EUA pelo selo "Primarily A Cappella". Na premiação The Contemporary A Cappella Recording Award 2005, considerado como o Grammy da música a cappella, concedido anualmente pela CASA (The Contemporary A Cappella Society), organização mundial de música a cappella, recebeu dois prêmios: melhor disco do ano na categoria Folk/World Album e com a melhor música do ano ("Disfarça e Chora", de Cartola e Dalmo Castello), na categoria Folk/World Song. "MPB a Capella" foi lançado no Brasil pela gravadora Biscoito Fino.

Em 2008, o BR6 voltou a receber o prêmio, desta vez na categoria Best Jazz Album, pelo disco "Here To Stay - Gershwin & Jobim". O CD foi gravado entre setembro de 2006 and janeiro de 2007 e lançado nos EUA em 2007 numa realização da "NuVision Music & Film". No Brasil, o CD foi lançado pela Biscoito Fino em abril de 2008, com uma música-bônus, a versão a capella de "Chovendo na Roseira", incluída na trilha sonora da novela Ciranda de Pedra (2008), da Rede Globo.

video

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O poder da tecnologia:Encontro virtual entre Elvis e Martina

Fantástico!
Este encontro virtual entre Elvis e Martina tem 40 anos de diferença no tempo de cada artista. Elvis cantando em 1968 e Martina em 2008. Martina que nasceu em 1966, tinha apenas 2 anos quando foi feito o vídeo do Elvis. Incrível! O que é a tecnologia!!

video

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Projeto de Leitura: Histórias de Heróis e Vilões.

Como diz a música DENTRO DE UM LIVRO... quanta coisa existe? Príncipes e princesas, castelos, fadas, bruxas, heróis e vilões. Personagens e lugares mágicos, histórias surpreendentes.

Durante o ano entramos em contato com este mundo por várias vezes, torcemos e nos emocionamos, sofremos e rimos muito, quando aceitamos o desafio de abrir um livro. Estudamos a origem e a estrutura dos gêneros literários também e um deles em especial, foi marcante para nós: Os Contos de Fadas.

Foi tão bom que decidimos criar nossos personagens, nossos heróis e vilões com histórias fantásticas. Não foi fácil, mas em grupos produzimos nove narrativas. Drama, suspense, romance com muita magia, lutas e vitórias. Aqui não ficamos na torcida pelos personagens, fizemos com que eles agissem segundo os nossos desejos. Afinal agora não somos apenas leitores, somos autores.

Nossos heróis e vilões do jeitinho que queríamos que eles fossem, fazendo talvez coisas que nós, em nossos sonhos mais secretos, queríamos fazer também. Porque dentro de cada um de nós tem uma história, tem personagens, gente boa e gente má doidinha para botar a cara para fora.

Enfim, até onde a leitura pode levar? Conseguimos chegar até aqui. Lemos muito e certamente por isso imaginamos muito. Somos criativos e neste livro estamos mostrando o quanto podemos fazer. Não é um teatro, não estamos no placo, mas é como se fosse, porque no final temos certeza que vocês vão nos aplaudir.

Vânia Assis

sábado, 14 de agosto de 2010

Contos de Fada



O Teatro dos Contos de Fada que passava na TV Cultura nos anos 80 e 90.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

METADE - OSWALDO MONTENEGRO

TICO TICO A QUATRO MÃOS

video
Interessante interpretação de Tico Tico no Fubá por Cecilia Siqueira e Fernando Lima (Duo Siqueira Lima), a quatro mãos com uma guitarra, numa atuação no Instituto de Música Brasileira na Florida (EUA), em Maio de 2009

quarta-feira, 14 de abril de 2010

quinta-feira, 25 de março de 2010

Meu cantinho... minha Mutum!

Lugar tranquilo, de gente simples...
Onde renovo forças e energia,
encontro amigos,
revivo a infância e adolescência.
Cantinho que me faz bem, me faz viver!

video

terça-feira, 23 de março de 2010

Música
Manifestação da Cultura Universal
Para os antigos, a música significava a harmonia do universo. Nos seus primórdios, era uma forma de magia, levando o ouvinte a uma concentração semelhante ao transe. Cedo se tornou visível que a música possuía grande poder, podendo ser utilizada como meio de propaganda para estimular uma tribo, dando-lhe coragem para a guerra, e não simplesmente venerada como auxiliar mágico de rituais sagrados.
Como todas as artes, a música é patrimônio comum da humanidade. A arte de coordenar sons para produzir efeitos estéticos, sempre foi usada pelo ser humano para manifestar sua cultura, expressar seus sentimentos e sua religiosidade. Desde as civilizações mais remotas, que a música aparece como uma expressão do misticismo e da alegria, da representação artística da cultura popular.
Os sumérios, povo da Baixa Mesopotâmia, na Ásia, utilizavam a música em rituais sagrados , incluindo funerais, triunfos militares e banquetes. Atingindo todas as camadas sociais, o fenômeno da música se modificou através dos anos, pela influência dos países ditos dominadores. Quando um país invadia o outro, sua primeira preocupação era a aculturação de seus costumes no seio do povo dominado, ou seja, matando a cultura, matava-se também a identidade popular. Porém, o que realmente acontecia era uma miscigenação de costumes e crenças que por sua vez davam origem a uma cultura diferente, própria e autêntica. Assim, portanto, também a música sofreu essa mutação de várias culturas, assimilando gostos e costumes.
Foi a propagação da religião cristã, partindo de um culto local da Judéia e transformada na fé aceita em todo o mundo ocidental, que provocou o desenvolvimento da música européia. Talvez tenha sido esse fator que determinou a diferença marcante entre a música ocidental e oriental. Ao contrário de outros tipos de arte, como o teatro e a literatura, a música oriental até algumas décadas atrás, embora admirada no Ocidente como objeto de estudo, dificilmente poderia proporcionar um prazer estético. E essa incompreensão parecia recíproca, pois salvo alguma exceção, o Oriente também não aceitava a música do Ocidente. Com o advento da tecnologia, houve uma interação nos meios musicais aproximando os dois hemisférios, dando a oportunidade de conhecimento e consequentemente de apreciação de ambos os gostos musicais. Essa afirmação nos leva a concluir sobre a importância e o valor da música como símbolo da identidade de um povo e agente de interação e comunicação.

( Texto extraído da Revista Violão Popular- Cordas & Cores. Edição Janeiro/98)